Corinthians arranca empate e mantém São Paulo na zona do rebaixamento

Em 2007 São Paulo e Corinthians se enfrentaram no Morumbi para um Majestoso que tinha o Tricolor como líder e o Timão na zona de rebaixamento. Dez anos depois, os rivais se encontraram no mesmo palco para um clássico matutino de domingo. Dessa vez, porém, com situações exatamente opostas. E se Betão fora o herói improvável naquela oportunidade, o Timão contou com outro gol de um jogador que foge desse hábito. Clayson, aposta de Carille no segundo tempo, arrancou o empate por 1 a 1 para os visitantes depois de Petros abrir o placar na etapa inicial em falha de Cássio.

A igualdade deixou um sabor amargo para os são-paulinos, que lotaram seu estádio mais uma vez e tinham a oportunidade de saltar na tabela de classificação. Com 28 pontos, o time deixaria a zona de rebaixamento, não fosse o inesperado 3 a 1 do Vitória em cima do Atlético-MG, em Belo Horizonte, e ficou na 17ª colocação. Já o Alvinegro, com 54 pontos, aumentou para a 11 a vantagem em relação ao segundo colocado Grêmio, que foi derrotado para o Bahia, em Salvador. Ambos os baianos jogaram à noite.

Antes da bola rolar, a expectativa que já era grande, principalmente entre os são-paulinos, ficou ainda maior com a divulgação da escalação tricolor. Dorival Júnior apostou no meio de campo sem Jucilei e com um quarteto de meias: Hernanes, Lucas Fernandes, Cueva e Marcos Guilherme.

A proposta ficou muito clara nos primeiros minutos, quando o São Paulo encurralou o Corinthians em seu campo de defesa com uma marcação alta e bom toque de bola. O camisa 10 apimentou ainda mais o clima com um belo chapéu em cima de Maycon.

Fábio Carille apostou nos seus 11 de sempre, mas com Romero aberto pela direita, talvez na tentativa de segurar os avanços e Júnior Tavares. O problema é que Jadson sofreu pelo lado oposto, principalmente porque Petros também resolveu se lançar por ali.

E foi justamente o camisa 6, teoricamente o único cão de guarda do meio de campo tricolor, que acabou surpreendendo. Aos 27, em um chute despretensioso da direita, o ex-corintiano pegou Cássio. O goleiro alvinegro parecia não estar pronto para a finalização e acabou vendo a bola balançar a sua rede.

 Antes do intervalo, Hernanes ainda enfileirou a marcação do Corinthians e por pouco não marcou um golaço. Era o retrato de um clássico confuso se as posições na tabela fossem analisadas simultaneamente.

Na tentativa de mudar o panorama do Majestoso, Fábio Carille sacou Jadson, mais uma vez muito mal, e mandou a campo Marquinhos Gabriel. O volume do Corinthians até melhorou, as triangulações começaram a aparecer, mas o Corinthians seguia sem levar perigo real ao gol de Sidão.

Em vantagem, o contra-ataque passou a ser a principal arma do São Paulo. Foi dessa forma que Hernanes obrigou Cássio a trabalhar e manteve o Morumbi elétrico. Toda essa euforia, porém, virou revolta pouco depois com o gol anulado de Militão por causa de falta no goleiro corintiano.

O São Paulo sobrava em campo. Quando a bola chegou a Romero dentro da área, com liberdade, a esperança alvinegra se perdeu com o domínio errado do paraguaio. Era hora de mudar. Lucas Fernandes dei lugar a Denilson e, em seguida, Cueva, muito aplaudido, teve a vaga ocupada por Jucilei. Carille respondeu com Clayson no lugar de Gabriel.

As cartas estavam lançadas e o clássico era um novo jogo a essa altura. Pior para o São Paulo. Quando os donos da casa era soberanos, Júnior Tavares acabou perdendo uma bola de forma infantil para Rodriguinho dentro da área. O meia cruzou para Romero, que só não marcou graças a boa defesa de Sidão. No rebote, porém, o goleiro nada pôde fazer no canudo emendado por Clayson. Um golaço do jovem atacante, que caiu como um balde de água fria no lotado Morumbi.

O empate fez Carille reposicionar sua equipe com Camacho na de Romero. Por outro lado, Maicosuel foi a campo para a saída de Marcos Guilherme. E apesar da pressa tricolor, foi o Corinthians quem mais assustou após as trocas. Em um lance duvidoso, em que Rodriguinho ficou pedindo pênalti, Sidão novamente trabalhou bem.

Satisfeito com o empate na casa do rival e depois de um desempenho muito aquém do que já apresentara no primeiro turno, o Corinthians soube administrar os minutos finais do Majestoso. Já sem a mesma organização, o São Paulo até buscou o gol da vitória na base da pressão, mas, quando conseguiu chegar, foi em bola parada. E aí, brilhou a estrela de Cássio, que falhou no primeiro tempo, mas salvou o Timão da derrota.

Com um ponto para cada lado, as situações das duas equipes não se altera muito. Ainda na briga contra o rebaixamento, o São Paulo volta a campo no próximo domingo, de novo no Morumbi, para receber o Sport. Já o Corinthians, líder com certa folga, visitará o Cruzeiro no Mineirão.

(Créditos: Gazeta Esportiva)