Transtorno de estresse pós-traumático

Vivemos nos dias atuais cercados de violência e situações de exposição, que remetem ao sentimento de impotência, prejuízo de ordem emocional tão intenso que atua de forma a restringir a rotina e desencadear outros transtornos de ordem psicológica.

O transtorno de estresse pós-traumático é um transtorno de ansiedade desenvolvido após um evento traumático que ameaça a segurança e desencadeia o sentimento de impotência e desesperança.

O diagnóstico de estresse pós-traumático hoje é muito freqüente devido à exposição e estilo de vida que levamos, por se tratar de um quadro clínico emocional causado especificamente por um acontecimento traumático.

Qualquer situação inesperada, impactante e em alguns casos paralisante, que impeça a pessoa de seguir enfrente é considerado trauma e dependendo as condições emocionais da pessoa, este trauma poderá causar um estrago intenso. Cada um desenvolve esse transtorno de forma diferente, isso em razão das diferenças emocionais e experiências de vida diferenciadas. O trauma é denominado um estressor catastrófico diferente da experiência humana habitual; por exemplo: explosões, acidentes aéreos, acidentes de automóveis severos, entre outros.

Ao desenvolver esse transtorno a sensação é que nunca será superado e não é verdade, procurar o tratamento adequado, buscar apoio e desenvolver novas habilidades, poderá ajudar a pessoa a superar e seguir a vida em frente.

Nem todo trauma vivenciado se transforma em transtorno de estresse pós-traumático, após um evento de impacto é comum à segurança e confiança ficarem abalados; e experimentar um sentimento de desorientação, é muito comum ter pesadelos, sentir medo, o que são reações normais em eventos anormais, geralmente são de curta duração.

No caso do estresse pós-traumático os sintomas não diminuem e a pessoa ainda tem uma tendência a sentir-se cada vez pior.

Numa experiência traumática, o corpo e a mente ficam em estado de choque, e quando a pessoa consegue pensar no que aconteceu, ela processa as informações de forma saudável e consegue sair da situação.

No estresse pós-traumático a pessoa nem consegue pensar no assunto e muito menos elaborar o que aconteceu permanecendo em estado de choque psicológico, as lembranças e as emoções ficam escondidas como se desconectados da memória.

Os sintomas podem aparecer do nada, ou ir e vir ao longo do tempo, ou pode até mesmo se conectar a memória inconsciente com o evento traumático original, isso pode ocorrer com estímulos visuais, sonoros, olfativos, ou até mesmo palavras que o inconsciente conecta, acionando o sintoma que originou o evento na primeira vez, causando os sintomas de ansiedade como: palpitações, alteração na respiração, sudorese, náuseas, tensão.

Quanto mais cedo procurar ajuda, mais fácil para superar; lembrando que o estresse pós-traumático não é sinal de fraqueza e a única forma de resolver e superá-lo é enfrentar através das lembranças, resignificando os conteúdos traumáticos, aprendendo lidar com eles.

Sobre Elaine Marini 22 Artigos
Psicóloga graduada em Psicologia desde 1986, Especialista em Psicologia Clínica e Manejo Psicológico na cirurgia bariátrica; pós graduada em Psicologia Transpessoal, Psicologia Hospitalar e Gestão Escolar. Escritora com 4 livros editados na área de Psicologia. Atualmente Chefe do setor de Psicologia hospitalar no Hospital Cruz Azul em São Paulo.