Taboão da Serra pode seguir os exemplos de Guaratinguetá, Grêmio Barueri?

Tem se tornado normal, clubes de futebol deixar suas cidades sedes e se transferir para outras, por alguma dificuldade, interesses políticos ou financeiro; quem não se lembra do caso marcante do Guaratinguetá E. C. que em 2010, deixou sua sede no Vale do Paraíba e se transferiu para a cidade de Americana, por motivos políticos e financeiros.

Em sua nova sede, o clube foi batizado de Americana F. C. mas esta aventura durou apena a temporada de 2011, no ano seguinte, o Guaratinguetá retornou ao Vale do Paraíba, porém jamais voltou a se encontrar, perambulou pelas competições estaduais e nacionais, até que em 2017, se licenciou das competições oficiais da Federação Paulista de Futebol.

Outro caso que chamou a atenção da impressa e do público, foi a transferência da equipe do Grêmio Barueri, para a cidade de Presidente Prudente, no mesmo ano de 2010, por divergências com o governo de Barueri, depois de uma longa novela, o time da zona oeste da Grande São Paulo, fechou um acordo com o Oeste Paulista E. C. da cidade do interior e passou a se chamar Grêmio Esportivo Prudente, que hoje está na 2ª Divisão do Campeonato Paulista.

Um caso que difere dos anteriores, é o do S. C. Atibaia, que por méritos próprios conseguiu o acesso à Série A- 3 em 2014, porém não pôde jogar em Atibaia, pois a Federação Paulista de Futebol – FPF interditou o seu estádio, o Salvador Russani, e em 2015 mandou seus jogos na cidade de Bragança Paulista, no Estádio Dr. Nabi Abi Chedid.

Naquele ano, a equipe ficou entre os 4 clubes a conquistar o acesso a série A-2, porém foi barrado pela Federação e não teve confirmado o seu  acesso, tendo que voltar a disputar a Série A-3. Em 2017 a nova gestão do clube, transferiu a equipe para a cidade de Indaiatuba, e lá disputou a A-3, em 2017 e 2018, ano em que conquistou o acesso para a Série A-2, como campeã. Agora Atibaia promete construir um novo estádio para resgatar o seu clube de volta à cidade

E a situação do C. A. Taboão da Serra???

Recentemente a Federação Paulista de Futebol – FPF, realizou diversas vistorias no Estádio Municipal Vereador José Feres, apontou diversas irregularidades na adequação da praça esportiva e deu um ultimato à direção do Tricolor da Serra; ou a estrutura esportiva da cidade cresce em qualidade, ou a equipe poderá perder o direito de disputar a série A-3, já em 2019.

A vistoria da entidade, apontou falhas nas instalações físicas do José Feres, tais como as condições dos vestiários, das cabines de imprensa, os muros e alambrados do estádio, reclamou do uso inadequado da praça esportiva, da grama mal cuidada, do mato não aparado, da tecnologia, como a falta de uma rede local de Wi-Fi. Detalhes que podem prejudicar a equipe e até devolvê-la à 4ª Divisão.

O Tabloide de S. Paulo, conversou com exclusividade, com o Presidente do CATS, sr. Anderson Nóbrega, que se mostrou bastante preocupado com a situação.

Tabloide de S. Paulo: Boa noite Presidente; Tudo bem?

Anderson Nóbrega: Boa noite, tudo.

Tabloide: Como assim Anderson; time sub- 20 pra disputar a Copa Paulista?

Nóbrega: Time Sub – 19 na maioria, mas teremos alguns maiores. Temos que dar chance para os jovens, não é isso que todo mundo pede?

Tabloide: E o que você projeta para a Copa Paulista?

Nóbrega: Revelar jogadores, fortalecer a base e ter grandes talentos para a próxima Copa São Paulo de Futebol Jr.

Tabloide: E quanto a oportunidade de uma disputa nacional, não está no planejamento?

Nóbrega: Temos que ser realistas, com pouco apoio fica difícil; mas por que não podemos chegar com os garotos? o trabalho é muito bom.

Tabloide: Mas isso não pode refletir no profissional, para a Série A-3 2019?

Nóbrega:  Não, pelo contrário, vamos economizar e ter caixa para iniciar o Paulista fortes; Gerson como te falei com o pouco apoio fica difícil manter o CATS.

Tabloide: Isto preocupa; o que você traça para o futuro do CATS?

Nóbrega: O CATS está consolidado, é respeitado e tem muita força, mas precisamos que a cidade entenda isso e nos ajude a cumprir os regulamentos, pois a Federação Paulista está cada vez mais exigente, e rigorosa, não só com a montagem da equipe, mas principalmente com as instalações e organização do estádio.

Para que o CATS cresça, é preciso que a estrutura esportiva da cidade cresça da mesma forma, caso contrário, podemos repetir a situação ocorrida com o S. C. Atibaia, que para subir teve que mudar de cidade, o Atibaia joga hoje, com o apoio da cidade de Indaiatuba; uma coisa que eu acho inadmissível.

Tabloide: No sentido apoio da cidade, você se refere também à prefeitura?

Nóbrega: Sim; os vistoriadores da Federação Paulista, reclamaram do uso excessivo e inadequado do estádio, isso reflete nos laudos e leva a Federação a questionar se a cidade tem realmente interesse de ter, a equipe em Taboão da Serra.

Tabloide: A pergunta se faz necessária; Embu das Artes seria uma ameaça?

Nóbrega: Então, Embu está num processo acelerado de melhoria das suas estruturas. Mas Jaguariúna tem interesse em levar o CATS pra lá. Mas nem passa pela minha cabeça fazer isso.

Em 2016, eu Enfrentei a maior pressão do XV de Jau, que queria a vaga do CATS, alegando que seu estádio tinha muito mais estrutura do que o nosso José Feres; mas eu resisti.

Tabloide: Esta era a resposta a esperada; mas até onde você, como Presidente do clube, pode resistir?

Nóbrega: Se o estádio não estiver nos padrões que a Federação Paulista está exigindo, ou a equipe volta para a divisão anterior, ou muda de cidade, assim como aconteceu com o Atibaia, que o presidente levou para Indaiatuba, por que no ano anterior a Federação interditou o estádio deles e eles caíram.

Eu sou frontalmente contra essa ideia de tirar o time da minha cidade, só faria isso em caso de sobrevivência do clube, espero que isso jamais ocorra.

A federação fez diversas vistorias no nosso estádio, e fez muitas reclamações; quanto a equipe tá tudo certo; a entidade cobra melhorias no estádio; gramado mais cuidado, mato cortado, chuveiros funcionando, cabines de imprensa melhor, sistema de Wi-Fi. coisas que tiram ou mantêm uma equipe na Série A do Campeonato Paulista.

Tabloide: O que você prevê para o ano que vem; corremos riscos?

Nóbrega: Gerson; vai chegar a hora, que se os regulamentos que a Federação impõe, não forem atendidos, vão nos proibir de atuar em Taboão da Serra, vão nos tirar da Série A-3 e de ser sede da Copa São Paulo de Futebol Jr. não sei quando, mas sei que essa hora vai chegar.

Uma coisa eu preciso deixar muito claro, eu creio e confio no nosso Prefeito Fernando Fernandes, sei que ele sempre atendeu todas as exigências, e que ele jamais deixaria acontecer que o clube da cidade fosse prejudicado, pois ele reconhece a importância, que o CATS representa, para esta cidade, tenho certeza que posso contar com o apoio dele. Ele não permitiria que o CATS jogasse em outra cidade.

Pela minha vontade o CATS permanece em Taboão da Serra, pra representar a cidade na Série A-2, Série A-1 do Paulista e nas competições nacionais. Mais uma coisa é certa, se nada for feito, corremos sim, um sério risco, de já em 2019, sermos impedidos de disputar competições da FPF, sermos rebaixados ou termos de mudar de Taboão da Serra, e na possibilidade de não jogar ou de ser rebaixado, só me resta uma alternativa, ir embora.