Delator afirma que diretor de empresa levou R$ 300 mil a Aécio Neves, diz jornal

Carlos Alexandre de Souza Rocha, funcionário do doleiro Alberto Youssef, disse em delação premiada que entregou R$ 300 mil a um diretor da UTC Engenharia no Rio de Janeiro. Ainda de acordo com Rocha, o diretor da UTC teria afirmado que o montante seria entregue ao senador Aécio Neves (PSDB-MG). As informações foram publicadas nesta quarta-feira (30) pelo jornal Folha de S. Paulo.

Tanto Yousseff quanto Rocha foram presos pela Operação Lava Jato e fecharam acordo de colaboração premiada com a Justiça.

Ainda de acordo com o jornal, Rocha, conhecido como Ceará, disse na delação que conheceu Youssef em 2000 e, a partir de 2008, passou a fazer entregas de R$ 150 mil ou R$ 300 mil a vários políticos. E que em 2013 fez “umas quatro entregas de dinheiro” a um diretor da UTC chamado Miranda, no Rio.

Também em depoimento mencionado pelo jornal, o diretor financeiro da UTC, Walmir Pinheiro Santana, confirmou que o diretor comercial da empreiteira no Rio chamava-se Antonio Carlos D’Agosto Miranda e que “guardava e entregava valores em dinheiro a pedido” dele ou de Ricardo Pessoa, dono da UTC.

Nem Pessoa, também delator na Lava Jato, nem Santana mencionaram repasses a Aécio em seus depoimentos. A assessoria do senador chamou a citação de Rocha de “absurda”.

AÉCIO E UTC NEGAM ACUSAÇÕES

A assessoria de Aécio Neves disse que considera “absurda e irresponsável” a citação a seu nome, “sem nenhum tipo de comprovação”.

“Trata-se de mais uma falsa denúncia com o claro objetivo de tentar constranger o PSDB, confundir a opinião pública e desviar o foco das investigações”. A assessoria cita o fato de que Ricardo Pessoa, dono da UTC, não incluiu Aécio na lista de quem recebeu recursos da empresa no esquema da Petrobras.

“A falsidade da acusação pode ser constatada também pela total ausência de lógica: o senador não exerce influência nas empresas do governo federal com as quais a empresa atuava e não era sequer candidato à época mencionada. O senador não conhece a pessoa mencionada e de todas as eleições de que participou, a única campanha que recebeu doação eleitoral da UTC foi a de 2014, através do Comitê Financeiro do PSDB”, diz a nota.

Procurada, a UTC disse que “a acusação não tem fundamento”.

'