Mãe de adolecente tatuado na testa diz que seu filho não é bicho

Vania Rocha, mãe do adolescente que teve a testa tatuada em uma pensão em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, disse que seu filho foi tratado com crueldade por parte do tatuador Maycon Wesley Carvalho dos Reis, 27 anos, e o vizinho dele, Ronildo Moreira de Araújo, 29 anos. Os dois foram presos por tortura na sexta-feira (09). “Meu filho não é boi, não é animal. Ele não é bicho.”, disse a mãe revoltada.

Ela está preocupada com a recuperação do filho, que estava desaparecido desde 31 de maio até sofrer a agressão. “A gente precisa tirar isso do rosto dele porque ele não é bicho. Muita gente está julgando ele, mas ninguém conhece a história dele. A única coisa que a gente quer é Justiça.”

Vania disse que não conseguiu até agora assistir ao vídeo em que o filho é tatuado na testa. “Infelizmente eles vão pagar pelo erro deles. Só tenho pena da família deles. Quando eu recebi o vídeo eu não consegui assistir. Eu vi a foto e isso acabou comigo, acabou com a família. Como ele vai sair por aí? Ele é vítima da sociedade.”

A mãe espera conseguir tratar a dependência química do filho. “Ele precisa de ajuda, de tratamento, a gente não tem condições de pagar, a gente é pobre. Eu sou auxiliar de limpeza e estou desempregada. Eu estou acabada, ele pode ser o que for, mas o ser humano não tem direito de fazer isso. Ele é uma criança, ele é doente, não precisa de críticas, precisa de ajuda, de tratamento.”

O adolescente disse que “teve vontade de morrer” quando se olhou no espelho e viu a frase “Sou ladrão e vacilão” marcada para sempre em seu rosto. “Comecei a chorar”. Ele foi reencontrado neste sábado (10) e passou a tarde deste domingo (11) com a avó, a mãe, tio e amigos.

O rapaz de 17 anos negou que tenha roubado uma bicicleta de um deficiente físico, como alegaram os dois homens que o torturaram. “Eu estava bêbado, esbarrei na bicicleta e ela caiu”, afirmou.

Os responsáveis pela tortura estão presos no 3º Distrito Policial de São Bernardo do Campo e devem ser transferidos para um Centro de Detenção Provisória. A juíza Inês Del Cid, da Vara Criminal de São Bernardo do Campo, decretou a prisão preventiva deles neste sábado.

“Ele é muito querido no bairro e muitas pessoas começaram a procurar por ele. Vieram nos avisar onde ele estava e os amigos foram buscá-lo. Agora ele está na casa da avó, descansando. Vamos cuidar da saúde dele”, disse Vando Rocha, tio do adolescente.

Além de ter a testa marcada com uma tatuagem, o adolescente revelou que teve o cabelo cortado e teve os pés e as mãos amarrados por Ronildo e Maycon. “Eu comecei a puxar o cabelo para a frente para tentar esconder e eles então cortaram meu cabelo.”

O advogado da família, Leonardo Rodrigues, disse ao que deve se reunir com a família para saber quais medidas jurídicas deve tomar nos próximos dias. “Vamos avaliar. Primeiro vamos cuidar dele, ele foi medicado, está assustado com o que passou. Muitas pessoas compartilharam a imagem dele fazendo julgamento sem conhecer os fatos. Ele não fez nada do que foi dito e espalhado na internet.”

O crime

A tatuagem foi filmada com o celular de Maycon, compartilhada no WhatsApp e o vídeo viralizou rapidamente. Nas imagens é possível perceber que o adolescente não reage às provocações do tatuador e do vizinho dele. Em certo momento, um deles diz: “vai doer, vai doer”. Em outro momento eles perguntam ao menino o que ele quer tatuar e forçam a resposta: “ladrão.”

Com o vídeo em mãos, a família foi até o 3º DP de São Bernardo do Campo para tentar localizar o paradeiro do adolescente. Com as informações passadas pela família, uma equipe de investigadores seguiu até a Rua Jurubatuba, no Centro da cidade, onde localizaram o tatuador na calçada. No local não funciona um estúdio de tatuagem, mas uma pensão onde Ronildo e Maycon eram vizinhos.

Na delegacia, os dois disseram para a delegada Carolina Nascimento Aguiar que o adolescente teria tentado furtar uma bicicleta na região e ficaram revoltados com isso e “resolveram tatuar o mesmo como forma de punição”.

A tatuagem foi filmada com celular e compartilhada no WhatsApp e o vídeo viralizou rapidamente. Nas imagens é possível perceber que o adolescente não reage às provocações do tatuador e do vizinho dele. Em certo momento, um deles diz: “vai doer, vai doer”. Em outro momento eles perguntam ao menino o que ele quer tatuar e forçam a resposta: “ladrão.”

(Créditos: G1)