Lidando com as diferenças

Quando pensamos na frase “lidando com as diferenças”, a primeira coisa que vem a mente nas relações interpessoais é a questão do respeitar o outro.

Será que é tão simples assim?

Será que praticamos o respeito ao outro no nosso dia a dia?

São provocações que eu faço ao leitor neste momento. Lidar com as diferenças está muito além do respeito, está em se colocar no lugar do outro e de forma verdadeira, de alma, de coração.

Partindo do principio que somos seres únicos e com experiências únicas, no relacionamento não devemos nos influenciar com a opinião e experiência do outro, pois corremos o risco de colocar rótulos e agir de forma preconceituosa na relação e com isso perdemos a riqueza do relacionamento e das oportunidades.

Somos todos iguais nas diferenças, cada qual, com suas habilidades, competências, experiências e uma completando a outra.

Ao se relacionar com alguém seja na amizade, amor ou mesmo no trabalho, o importante é estar desprovido de preconceitos e rótulos, estando aberto e desarmado, oportunizando conhecer o outro e trocar experiências afins.

Quando somos apresentados a alguém e esta apresentação vem de encontro com comentários a cerca desta pessoa, sejam comentários positivos ou negativos, é comum que façamos uma leitura do outro criando expectativas equivocadas, que tanto pode levar a um bom, quanto a um mau relacionamento e isso se tornar desastroso na relação do dia a dia.

Respeitar o outro nem sempre é concordar com opiniões ou atitudes e sim aceitar, compreendendo que para tudo há uma motivação única e pessoal, o julgamento não nos cabe quando desejamos lidar de forma saudável com as diferenças.

Não existe no mundo uma pessoa em sua totalidade boa ou ruim, todos nós carregamos em si o dom da capacidade e isso nos dá a certeza de que tudo se pode; se a energia for focada no desejo.

As diferenças são importantes para alcançar objetivos, pois a diversidade cria oportunidades no trabalho em equipe, onde a opinião e a escuta de todos é importante.

Portanto, lidar com as diferenças é um aprendizado diário, nos oportuniza a fazer escolhas e a mudar paradigmas, o que é enriquecedor para a vida.

Respeitar é escutar, acolher, compreender, é ter discernimento para agregar valores, que podem ser determinantes em nossa conduta e em nosso caráter.

A adversidade possibilita aprender e compreender que o limite de um acaba quando começa o do outro.

*Imagem fonte: patocomlaranja.com

*Conteúdo autoral, reprodução autorizada mediante crédito à Elaine Marini.

Sobre Elaine Marini 14 Artigos
Psicóloga graduada em Psicologia desde 1986, Especialista em Psicologia Clínica e Manejo Psicológico na cirurgia bariátrica; pós graduada em Psicologia Transpessoal, Psicologia Hospitalar e Gestão Escolar. Escritora com 4 livros editados na área de Psicologia. Atualmente Chefe do setor de Psicologia hospitalar no Hospital Cruz Azul em São Paulo.