Palmeiras volta a jogar bem e vence o Fluminense

O Palmeiras conseguiu recuperar a confiança abalada após a derrota para a Ponte Preta no último sábado. Na noite desta quarta-feira, o Verdão usou bem o apoio de sua torcida e derrotou o Fluminense, por 2 a 0, no Estádio Palestra Itália, pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro, com gols de Vitor Hugo e Alecsandro, ambos anotados na etapa decisiva do jogo.

Após um primeiro tempo truncado, em que Fred perdeu a melhor chance de gol – muito em função de defesa incrível de Fernando Prass -, o Alviverde voltou ligado para a segunda etapa e castigou o rival pela oportunidade desperdiçada do centroavante tricolor. Com duas alterações promovidas durante o intervalo pelo auxiliar Cuquinha, que substituiu o suspenso técnico e irmão Cuca, os donos da casa empurraram os visitantes para o campo de defesa e liquidaram a fatura no início da parte final.

Com o resultado, o Palmeiras chega ao seu segundo triunfo no torneio nacional e acumula seis pontos, ocupando momentaneamente a segunda colocação do Brasileirão, atrás somente do líder Santa Cruz (7 pontos), que goleou o Cruzeiro, por 4 a 1, em casa. O Fluminense, por sua vez, fica em 13º, com uma campanha de uma vitória e um empate.

Os comandados de Cuca voltam a campo para a disputa do Choque-Rei contra o São Paulo, neste domingo, às 16 horas (de Brasília), no Morumbi, onde o clube alviverde não vence desde 2002. Já o Tricolor das Laranjeiras também tem clássico pela frente: no mesmo dia e horário, o time de Levir Culpi, na condição de mandante, encara o Botafogo em Volta Redonda.

O jogo – Toda a leveza e velocidade que o técnico Cuca propôs com o trio ofensivo formado por Róger Guedes, Dudu e Gabriel Jesus encontrou muita dificuldade diante da marcação tricolor nos primeiros 15 minutos de jogo. A equipe de Levir Culpi soube fechar bem os espaços no meio de campo, com Pierre e Edson, forçando erros de passe do adversário, que passou a usar lançamentos e cruzamentos, pouco eficientes para um ataque de baixa estatura do Alviverde.

Diante da retranca carioca, o Verdão só foi conseguir disparar seu primeiro chute a gol aos 19 minutos, quando Guedes fez boa jogada individual na intermediária, cortou pra esquerda, mas bateu por cima da meta de Cavalieri. Logo em seguida, quase os visitantes abriram o placar em sua primeira chegada com perigo: após rebote de escanteio, Fred recebeu bom cruzamento de Gustavo Scarpa e testou à direita de Fernando Prass, que só olhou a bola passar rente à trave.

O Palmeiras respondeu aos 25, em jogada em que o goleiro do Fluminense saiu mal e se desentendeu com Jonathan. Dudu acreditou no lance e só não conseguiu o arremate porque perdeu o tempo de bola, que escapou em linha de fundo. A essa altura, as equipes estavam mais abertas em busca do primeiro gol da partida.

Tanto que dois minutos depois, Róger Guedes voltou a fazer boa jogada pela direita, tabelou com Cleiton Xavier e cruzou rasteiro. A bola passou à frente de Cavalieri, mas Jesus não conseguiu empurrar para as redes. Ao menos, os mandantes conseguiram inflamar sua torcida, que se assustou aos 33, quando a zaga palestrina bobeou de novo no jogo aéreo. Por pouco, o cabeceio de Gum não estreou o placar da casa palmeirense nesta noite.

O primeiro chute com direção ao gol do confronto truncado precisou de 38 minutos para acontecer. Após a primeira boa troca de passes do time da casa, Tchê Tchê lançou Guedes, que virou e bateu cruzado, porém Diego caiu no chão para agarrar sem sustos. Na sequência, o Fluminense perderia a melhor chance da primeira etapa: Egídio errou em saída, Cícero desviou cruzamento de Scarpa com a cabeça para o meio da área, Fred chutou rasteiro e de primeira para Prass fazer grande defesa. No rebote, o centroavante isolou para alívio da torcida palmeirense, que lembrou o milagre do goleiro efetuado contra o mesmo atleta na semifinal da Copa do Brasil do ano passado. Depois, Dudu respondeu, mas finalizou pela rede do lado de fora.

Pressão palestrina e fatura liquidada

No comando do Verdão à beira de campo devido à suspensão de Cuca, o auxiliar Cuquinha, irmão do treinador, promoveu duas alterações para o segundo tempo: saíram Cleiton Xavier e Egídio para as entradas de Moisés e Alecsandro. Dessa forma, Tchê Tchê passou a fazer a função de lateral esquerdo.

As mexidas surtiram efeito. Em um começo elétrico dos mandantes, Dudu fez jogada individual na frente da área do Fluminense, chutou firme e Cavalieri espalmou a bola, que saiu lentamente pela linha de fundo. Na cobrança de escanteio, Gabriel Jesus não aproveitou sobra de Vitor Hugo e cabeceou fraco para defesa fácil do arqueiro rival.

As oportunidades começaram a surgir na medida em que o Palmeiras adiantou a marcação para forçar os erros de passes tricolores. Tanta pressão daria resultado aos 12 minutos, quando o zagueiro Vitor Hugo subiu mais alto que todo mundo após cobrança de falta de Dudu para escorar de cabeça sem chances para o goleiro Diego Cavalieri. O placar do Palestra Itália, enfim, estava aberto.

E seria modificado logo depois. O Verdão aproveitou o embalo da torcida para manter a marcação sob pressão no campo de defesa carioca. Aos 13, Róger Guedes infiltrou pela direita, chutou cruzado, a bola desviou e, na sobra, Alecsandro soltou a bomba para ampliar a vantagem palmeirense e anotar seu décimo gol na temporada.

Logo depois, aos 18, o Verdão quase alargou ainda mais sua vantagem. Dudu arrancou em contra-ataque, passou para Gabriel Jesus, que serviu Jean. Este finalizou por cima da meta de Cavalieri.

Os cariocas, então, mandaram a campo Richarlison e Marcos Junior na tentativa de responder ao Palmeiras. De fato, o Tricolor exerceu pressão e assustou o time da casa. Aos 29 minutos, o próprio Richarlison deixou Tchê Tchê no chão, cruzou para Scarpa, que livre de marcação, mandou para fora, perdendo grande chance.

No fim, o Verdão ainda perderia grande chance com Róger Guedes, que aproveitou bobeira da defesa carioca, driblou o arqueiro rival, mas finalizou em cima de Henrique. Pelo lado do Flu, a pressão normal nos minutos decisivos não resultou em gol. Para a alegria da torcida palestrina, que vibrou pela segunda vitória do time no Brasileiro.

(Créditos: Gazeta Esportiva)

'