Empresas esperam alavancar lucros do e-commerce para o Dia das Mães

Segundo dados da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), as empresas que realizam vendas online devem aumentar consideravelmente os lucros obtidos através do e-commerce neste Dia das Mães.

O departamento de Business Intelligence da entidade divulgou que, no período compreendido entre 23 de abril e 11 de maio, o mercado virtual no país pode atingir um faturamento total de quase 3 bilhões de reais. O número representa um crescimento de 17% com relação ao ano anterior.

Entre as categorias mais vendidas para o Dia das Mães estão moda, cosméticos, eletrodomésticos, flores, casa e decoração.

 Empresário carioca aposta no e-commerce

No ano passado, por exemplo, mais de 55 milhões de pessoas realizaram pelo menos uma compra virtual, o que representa aumento de 15% em comparação a 2016. Sócio da Flow, startup do segmento de colchões, o empresário Pedro Cruz está otimista com este panorama promissor. “Acreditamos no potencial do sistema de comércio eletrônico e o brasileiro tem se mostrado cada vez mais confortável diante deste modelo de compra e venda. Os novos dados fornecidos pela a ABComm  só comprovam isso”, opina.

Pedro, que decidiu comercializar colchões somente pela internet, facilitando a logística e derrubando o conceito de loja física, diz que sempre apostou no formato do e-commerce.  “O mercado passa por uma evolução e as empresas precisam estar antenadas para atender as demandas conforme as transformações vão acontecendo”, afirma.

Estudo aponta que aumento de pedidos é fator determinante

 A 37ª edição do relatório Webshoppers, realizado desde 2001 pela Ebit, que mede a reputação das lojas virtuais, indica que o crescimento nas vendas do comércio eletrônico no Brasil acontece muito em função de promoções e ofertas, elevando o número de pedidos. Como as lojas online abaixaram os preços de seus produtos, os consumidores eletrônicos ativos aumentaram, de acordo com a Ebit.

O relatório ainda revela que as compras feitas com o celular cresceram 35,9% nos primeiros seis meses de 2017 e, no final do ano, já representavam praticamente um quarto (24,6%) do total de pedidos feitos no e-commerce nacional.