Ministro da Justiça visita Manaus após rebelião que matou 60 presos

O ministro da Justiça e Cidadania Alexandre de Moraes visita Manaus na tarde desta segunda-feira (02) após a confirmação de pelo menos 60 mortes em uma rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj).

Em nota divulgada, o Ministério da Justiça informou que Moraes manteve contato com o governador José Melo durante a rebelião, que durou mais de 17 horas. “O governador informou que neste momento a situação no complexo penitenciário já está sob controle. E que já utilizará para sanar os problemas os R$ 44,7 milhões de repasse que o Fundo Penitenciário do Amazonas recebeu do Fundo Penitenciário Nacional (Funpen) na última quinta-feira, 29 de dezembro, disse ainda a nota.

 

Entenda o caso
O motim no Compaj durou mais de 17 horas e teve 12 servidores e 14 detentos como reféns.
A rebelião foi considerada pelo titular da Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM), Sérgio Fontes, como “o maior massacre do sistema prisional do Amazonas”.

Ainda não há confirmação oficial do número de fugas, mas a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-AM) chegou a dizer que mais de 130 detentos estão foragidos.

Até a manhã desta segunda-feira (2), a SSP-AM havia contabilizado 60 mortos no massacre. As vítimas foram presos por estupro e integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC). Uma rixa entre o PCC e outra facção, a Família do Norte (FDN), motivou a rebelião.

'