Apático, Palmeiras perde do Vitória em Salvador

Se existia algum palmeirense ainda esperançoso com a conquista do Campeonato Brasileiro, não existe mais. Nesta quarta-feira, o Verdão foi derrotado pelo Vitória, pior mandante da competição, por 3 a 1 no Barradão, e passa a se preocupar mais com a classificação direta à Copa Libertadores.

Sem Borja, Willian e Deyverson, Alberto Valentim optou por escalar Erik como falso 9 do Palmeiras nesta quarta-feira. O posicionamento do atacante, no entanto, parece não ter sido combinado com os companheiros. Logo nos primeiros minutos, Moisés, Dudu e Bruno Henrique tentaram lançamentos pelo alto para o camisa 14, de apenas 1,72m, que não conseguiu vencer os zagueiros rubro-negros.

Vagner Mancini também teve problemas para montar o Vitória, que não contou com Neilton, suspenso, nessa noite. Assim, o treinador optou pela entrada de Uillian Correia, reforçando o meio-campo com três volantes, o que deu resultado logo aos cinco minutos.

O camisa 7 roubou na intermediária, avançou sob os olhares inertes de Tchê Tchê e Bruno Henrique, e abriu para Patric. O lateral cruzou na área, Tréllez antecipou Dracena e rolou para Yago, que chutou forte, sem chances para Fernando Prass.

Uma falha coletiva do Palmeiras proporcionou ao Vitória o seu primeiro gol, e um erro individual permitiu o segundo. Tréllez usou o corpo para girar em cima do zagueiro Juninho, avançou conduzindo a bola desde o meio-campo e bateu por entre as pernas de Fernando Prass. Outro problema claro apontado pelo tento rubro-negro é o posicionamento da linha defensiva do Palmeiras sob o comando de Alberto Valentim, que ordena os zagueiros alviverdes no centro do campo, propiciando chances claras aos adversários em caso de erro defensivo.

Do time palmeirense, Keno era o mais lúcido. Chamando a responsabilidade por meio de jogadas individuais, o camisa 28 driblou Geferson na lateral da área e fez o cruzamento. A bola desviou no marcador e caiu na cabeça de Dudu, que nem precisou saltar para mandar para o gol e diminuir a vantagem dos mandantes.

O Palmeiras chegou a equilibrar a partida no Barradão, mas sofreu o terceiro gol aos 39 minutos. David foi lançado por trás da zaga, Mayke levou seu terceiro drible por entre as pernas em duas partidas, e o atacante rubro-negro tocou na entrada da área. Juninho chegou dividindo, a bola bateu em Dracena e sobrou para Yago, que cortou Tchê Tchê e mandou para as redes.

Logo após o lance, uma jogada deu mostras da situação alviverde em campo. Dudu tentou dominar um passe simples, rasteiro, na lateral do campo, mas deixou a bola sair. Aparentando desespero, Valentim sacou Bruno Henrique no intervalo e promoveu a entrada do garoto Fernando, que fez sua estreia pelo Alviverde.

Vitória diminui o ritmo, tem um expulso, mas Palmeiras não aproveita

O garoto alviverde entrou disposto a mostrar serviço, e, com apenas um minuto em campo, já arriscou sua primeira finalização, que foi longe da meta de Fernando Miguel. Do outro lado, o Vitória só não marcou o quarto pela defesa de Fernando Prass, que impediu o gol de Tréllez, de cabeça.

Se não conseguia criar chances de marcar, o Palmeiras esteve perto do segundo em lance que seria gol contra de Wallace. Moisés lançou Erik, o zagueiro fez o corte, mas mandou contra a própria meta, obrigando Fernando Miguel a se esticar para fazer a defesa. No rebote, Moisés chutou em cima da zaga.

Com 15 jogados, Alberto Valentim sacou o improdutivo Erik e colocou o desatento Róger Guedes em campo. O camisa 23, muito longe das atuações que apresentava em 2016, não conseguiu jogar e chegou a ter o posicionamento corrigido por Dudu em campo.

A esperança verde reacendeu aos 18, quando Uillian Correia fez falta por trás em Dudu, recebeu o segundo cartão amarelo e foi expulso. Valentim ainda tentou um último ato colocando Guerra na vaga de Keno, que não manteve o bom nível da primeira etapa.

O venezuelano ainda balançou as redes no último minuto do período regulamentar, mas o tento foi anulado. Guerra estava impedido quando pegou a sobra do chute de Tchê Tchê, que acertou Moisés com a finalização.

(Créditos: Gazeta Esportiva)