Aloysio Nunes considera “inaceitável” morte de estudante em protestos na Nicarágua

O ministro de Relações Exteriores, Aloysio Nunes, afirmou nesta sexta-feira que vê como “inaceitável” a morte da estudante brasileira Raynéia Gabrielle Lima, em meio à repressão aos protestos contra o Governo da Nicarágua, e afirmou que insistirá no “esclarecimento” do caso.

“Vamos insistir porque nos parece uma coisa inaceitável”, disse Nunes, em entrevista à imprensa em Johanesburgo, onde é realizada a X Cúpula do bloco dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).

O ministro indicou também que, até o momento, a resposta do Governo nicaraguense sobre os fatos “é que foi um guarda de segurança privada”.

“Chamamos o embaixador (brasileiro) na Nicarágua para que nos explique com mais detalhes e também o embaixador da Nicarágua no Brasil para fazer um gesto diplomático do profundo inconformismo do Brasil com a violência na Nicarágua, que acabou com uma vítima brasileira”, afirmou.

Nunes também mostrou apoio para que a Organização dos Estados Americanos (OEA) inicie negociações para pôr fim à violência “não só das forças policiais, mas também à violência talvez mais ultrajante que é a das forças paramilitares contra os movimentos que buscam a reforma política do país”.

A Nicarágua está imersa na crise mais sangrenta da sua história em tempos de paz, e a mais forte desde a década de 80, também com Ortega como presidente.

Raynéia Gabrielle Lima, era estudante de medicina e morreu na segunda-feira (23) no sul de Manágua, vítima de disparos.